23 de set de 2008

Feliz Ano Novo Tita

Linda flor da primavera do inicio da estação!
Estás sempre esparramando sorrisos com muita satisfação!
Ternura está sempre brotando dentro do teu coração!
Imagino para ti a vida com muita emoção!
Chegaste trazendo alegria e criando com perfeição!
Infinita é a tua bondade demonstrada com afeição!
Amorosa, flor graciosa, querida do meu coração
!

21 de set de 2008

Fragmentos

“Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.
Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.
Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.

Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.
Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.
Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade...
Já tive medo do escuro, hoje no escuro "me acho, me agacho, fico ali".
Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.
Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não eram...
Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.
Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente!”
Clarisse Lispector

14 de set de 2008

Feliz ano novo



Pensando em ti nesta data tão especial em que completas 60 anos, dos quais, digo com muita alegria que trita e seis estamos convivendo junto, quero te dizer querido:




Amor de outono
Quando as almas se enlaçam
O calor, se não o mesmo,
Se entranha;
Passam folhas, passam flores
Mas o tronco e as raízes
Permanecem,
Sobrevivem ao inverno
E florescem
Ao chegar
A primavera.
Amor que espera,
Amor que entende
Que aquece
Sem ser quente
Confortável, ternamente
Se afirma
Em valores permanentes
Na raiz do sentimento
E do tempo.
Amor de outono
Tão ameno,
Duradouro,
Tão dourado
E precioso
Vence o inverno,
A dor e a morte;
Amor eterno.


(Roberto Amorim)

9 de set de 2008

Tende piedade dos pobres de espírito!


Existem pessoas que tem o dom de procurar meios para desestruturar aqueles com quem tem contato. Não sei se nasceram assim ou a vida foi tão frustrante que assim se tornaram. Adversidades a vida nos impõe. Mas nem por isso temos o direito de transferir as falhas para as pessoas à nossa volta. Aliás, penso que à medida que amadurecemos temos o livre arbítrio para fazer da nossa vida a melhor possível. A harmonia é uma das coisas que devemos buscar sempre. A ternura nas palavras para com os outros também é uma qualidade que devemos usar todos os dias. Estando de mau humor, temos que digerir e não jogar nos outros as nossas frustrações. Somos donos da nossa escolha de vida e ninguém é responsável por isso, apenas nós. Admitir a qualidade de cada um é uma forma de melhorarmos. Todo o dia deve-se exercitar estas qualidades, reconhecendo o que cada um faz pelo seu semelhante em vez de alfinetar e irritar os outros. Estas pessoas que se dizem espiritualizadas esquecem a doutrina que seguem e tentam desestruturar os que estão à sua volta. Para quê?